Projetos de Pesquisa


Cinema e Transmodernidade

Coordenador: Prof. Dr. Rafael Gonçalves Borges

Encontros: quinta-feira, entre 09h e 11h30

A relação entre História e Cinema tem sido aprofundada nas últimas décadas, e a condição dos filmes como fonte histórica tornou-se, progressivamente, um ponto de fácil aceitação entre os historiadores contemporâneos. Considera-se importante para o estudante e futuro professor de história perceber a relevância das representações e da linguagem cinematográfica não apenas como fonte de pesquisa, mas principalmente como encaminhadoras de ações sociais e construções identitárias, sendo assim, capazes de refratar demandas e debates políticos que influenciam as dinâmicas da sociedade e as múltiplas identidades que a permeiam. Desta perspectiva, há uma relação dialógica não apenas entre os filmes e seus contextos históricos concretos de produção e recepção, como também entre os filmes e outros filmes, que são assumidos como enunciados em uma cadeia responsiva. Assim, o cinema é mais que entretenimento, é linguagem e discurso que estão em diálogo com a sociedade e com outros filmes, sendo problema fulcral para o historiador e professor de história problematizar estas representações e sua relevância política no decurso do tempo. O cinema é uma obra de arte moderna, típica da era de reprodutibilidade técnica, e desde seu início colabora tanto para a veiculação de representações que favorecem o projeto de modernidade ocidental (imperialistas, colonialistas, machistas, etc.) quanto a representações que visam questioná-lo, sobretudo após as décadas de 1960 e 1970. Este projeto contemplará pesquisas que versem sobre os usos do cinema em sua relação com o Projeto de Modernidade Ocidental, detendo-se primordialmente sobre as modificações temáticas notadas nos últimos 50 anos, problematizando novas representações de identidades sociais (sobretudo étnico-raciais, ambientais e de gênero) e suas implicações filosóficas em consonância com os pressupostos da crise dos paradigmas modernos.


História e Movimentos Sociais: ucronias e utopias

Coordenadora: Prof.ª Dr.ª Mariana Affonso Penna

Encontros: quinta-feira entre 15 e 17 h. (temporariamente suspensos)

Link: https://meet.google.com/fpm-pihz-gik

Este projeto tem por objetivo vincular pesquisa e extensão como partes de um mesmo processo de produção acadêmica. A intenção é aglutinar uma equipe de estudantes e professoras/es pesquisadoras/es para realizar o levantamento de fontes e registro de memórias acerca de movimentos sociais. Com base metodológica na História Oral (PORTELLI, 1991, 1997, 2003, 2010) e na interação colaborativa (GRANDI, 2010; MOREIRA, GRANDI e ALMEIDA, 2009), serão produzidas fontes orais. Além destas, serão levantadas e analisadas fontes documentais, iconográficas, dentre outras. A pesquisa bibliográfica sobre o tema também será alvo de nossa atenção. O objetivo é desenvolver análises acerca da constituição histórica e das memórias dos movimentos sociais, especialmente no que se refere às suas ucronias e utopias. Portanto, focar-nos-emos não somente no estudo das memórias dos grupos atualmente existentes, mas também acerca das memórias produzidas em torno de movimentos pretéritos e como estas se relacionam com ações presentes dos movimentos sociais. Comumente as utopias – notadamente manifestas em projetos e um horizonte futuro – assumem em passados interrompidos, as ucronias, modelos que embasariam suas aspirações e anseios. As experiências do passado, ainda que interrompidas, legitimariam projetos presentes uma vez que comprovariam, em alguma medida, sua possibilidade. Desta maneira, dois conceitos serão centrais nesta pesquisa: ucronia e utopia. Esta escolha não é fortuita, mas parte de uma proposta para a análise histórica dos movimentos sociais que nos pareceu significativa e satisfatória para uma melhor compreensão e análise destes sujeitos sociais. A busca pelas intersecções entre o presente e o passado, assim como a compreensão dos usos e apropriações do passado no presente, nos parecem instrumentos fundamentais para a compreensão dos mais variados ativismos sociais. Estas reflexões serão publicizadas junto às próprias coletividades estudadas, assim como em meios acadêmicos através de publicações em revistas científicas e da organização e participação em eventos acadêmicos.


Ensino de História e Livros Didáticos: diálogos interdisciplinares, temporalidades e conceitos

Coordenadora: Prof.ª Dr.ª Maria Abadia Cardoso

Vigência: de 2015 a 2017

O referido projeto visou contribuir para o aprimoramento dos processos de ensino/pesquisa no âmbito do curso de Licenciatura em História do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia – Campus Goiânia.  Tendo como escopo fundamental fornecer aos estudantes subsídios para a análise, problematização e (re) proposição dos conteúdos do livro didático de História. Sendo este um dos principais recursos didáticos em sala de aula, torna-se fundamental que os licenciandos em História, futuros professores, o compreendam como objeto/documento de investigação. Para tanto, faz se necessário pensar a elaboração do mesmo em termos de diálogo interdisciplinar, da elaboração das temporalidades e dos processos históricos. Ao mesmo tempo, o movimento entre a produção do saber histórico e historiográfico e a construção do mesmo em sala de aula, bem como seus procedimentos teóricos e metodológicos, foi o mote investigativo. O referido projeto estava cadastrado junto à Coordenação de Pesquisa e os resultados foram apresentados no Simpósio de Pesquisa e Extensão (SIMPEX, 2017).